5 causas de doença no fígado de cães e gatos

Doenças no fígado são umas das mais comuns em cães e gatos.
Saiba como prevenir e diagnosticar o problema em seu pet.

Padrão-Vet24H-quadrado

O fígado é um dos órgãos que mais podem ser comprometidos em cães e gatos. Muitas doenças originadas nele são causadas por uma alimentação deficiente – seja pelo uso de ração de qualidade inferior, seja pelo consumo de comida humana. Outras causas das doenças hepáticas são: trauma (pancada ou atropelamento), infecções bacterianas e virais, e intoxicação por remédios.

Funcionamento
O órgão atua no metabolismo de carboidratos, gorduras e sintetiza proteínas. Ele é responsável também pela metabolização e excreção de drogas e toxinas, por isso sofre com o uso de medicamentos usados à longo prazo (mais de um ano). É necessário administrar essa medicação com o médico veterinário. Forma e excreta bile, que atua na digestão de gorduras e o seu funcionamento correto é importante para o sistema imunológico do animal.

Sintomas
Quando há algo errado, o animal pode apresentar dor abdominal, diarreia, vômitos, falta de apetite – e perda de peso por consequência –, urina alaranjada, fezes de tonalidade mais clara (acinzentadas), problemas de cognição, e presença de cor amarelada na pele, mucosas e olhos. As doenças no fígado são silenciosas e quando apresentam sintomas geralmente já estão em estágio avançado, quando 75% ou mais da função hepática está comprometida.

Diagnóstico
Baseado no histórico de saúde do bicho, sinais clínicos e exames laboratoriais. Normalmente são requisitados exames de sangue e ecografia.

Mais comuns:

Hepatites tóxicas e medicamentosas: Causadas por envenenamentos, remédios ou intoxicações alimentares. Normalmente é grave e pode levar a óbito dependendo da dose do elemento tóxico.

Tumores de fígado: Ocorre com frequência em raças predispostas, como pastor alemão, labrador, rottweiler e poodle, ou em animais mais velhos. Dependendo do local, pode ser operado.

Hepatites infecciosas: A mais comum é a viral, prevenida com vacinação. Pode aparecer em cães de qualquer idade, sendo os filhotes os mais propensos a contaminação. Já a leptospirose causa uma das infecções hepáticas mais graves. Ela ocorre principalmente em cães e pode ser transmitida para o ser humano.

Lipidose hepática: Acúmulo de gordura no fígado, muito comum em gatos que passam por período de jejum e anorexia.

Obstrução biliar: Geralmente provoca retenção ou refluxo biliar, sendo causada por lama ou pedras na vesícula biliar. Muitas vezes vem acompanhada de pancreatite (inflamação do pâncreas), o que agrava o quadro. Tratada com medicamentos e cirurgia para a desobstrução e retirada do cálculo biliar. Pode levar à óbito se não tratada.

Como evitar: É imprescindível uma alimentação balanceada, vacinação correta, acompanhamento veterinário e exames periódicos. Quando o animal estiver com idade avançada, os cuidados precisam ser redobrados.

Saiba tudo sobre causa e tratamento de diabetes melitus em cães.

Confira quais os sintomas e cuidados necessários com seu pet.

Catarata e diabetes podem estar ligadas.

Embora filhotes possam desenvolver diabetes melitus, a doença é uma das mais comuns em cães adultos, principalmente idosos. A diminuição na produção de insulina, hormônio produzido pelo pâncreas que auxilia a locomoção da glicose do sangue para as células do corpo, é a causa.

Inúmeros fatores contribuem para o desenvolvimento do diabetes, no entanto, pré disposição genética, sedentarismo e má alimentação são recorrentes. Cães entre 7 e 9 anos, que estão ingressando na fase sênior, merecem atenção veterinária e alimentação com ração especial para melhor funcionamento do sistema biológico.

Alguns sinais são dados pelos cães, se você notar algo similar, não deixe de procurar um veterinário especialista. Beber mais água que o de costume, cansaço, aglomeração de formigas na urina do quintal, urinar demais, ter aumento de apetite e perda ou ganho rápido de peso são características do diabetes melitus. Em alguns casos, a cegueira devido a catarata pode ser a primeira indicação ao dono que existe um problema. A catarata se manifesta com olhos opacos ou perda da visão.

A partir dessa doença outras podem surgir: doença de Cushing (hiperadrenocorticismo), infecções do trato urinário, o hipotiroidismo, a pancreatite aguda e câncer. A presença destas doenças pode complicar o diagnóstico e o tratamento efetivo do diabetes.

Algumas raças são mais vulneráveis: poodle, dachshund, schnauzer, beagle, golden retriever, labrador, spitz e samoieda – o que, atenção, não significa que as demais estejam a salvo. O diabetes sempre é uma ameaça aos cães mais velhos, não importa a raça, e às fêmeas com problemas hormonais.

Não existe cura, mas as complicações podem ser evitadas se o cão receber injeções diárias de insulina e exercitar-se com rotina. No caso das fêmeas, precisam ser castradas para que seus hormônios não interfiram no tratamento. Desta forma, seu cão terá qualidade de vida, bem estar e viverá mais feliz.