Saiba tudo sobre causa e tratamento de diabetes melitus em cães.

Confira quais os sintomas e cuidados necessários com seu pet.

Catarata e diabetes podem estar ligadas.

Embora filhotes possam desenvolver diabetes melitus, a doença é uma das mais comuns em cães adultos, principalmente idosos. A diminuição na produção de insulina, hormônio produzido pelo pâncreas que auxilia a locomoção da glicose do sangue para as células do corpo, é a causa.

Inúmeros fatores contribuem para o desenvolvimento do diabetes, no entanto, pré disposição genética, sedentarismo e má alimentação são recorrentes. Cães entre 7 e 9 anos, que estão ingressando na fase sênior, merecem atenção veterinária e alimentação com ração especial para melhor funcionamento do sistema biológico.

Alguns sinais são dados pelos cães, se você notar algo similar, não deixe de procurar um veterinário especialista. Beber mais água que o de costume, cansaço, aglomeração de formigas na urina do quintal, urinar demais, ter aumento de apetite e perda ou ganho rápido de peso são características do diabetes melitus. Em alguns casos, a cegueira devido a catarata pode ser a primeira indicação ao dono que existe um problema. A catarata se manifesta com olhos opacos ou perda da visão.

A partir dessa doença outras podem surgir: doença de Cushing (hiperadrenocorticismo), infecções do trato urinário, o hipotiroidismo, a pancreatite aguda e câncer. A presença destas doenças pode complicar o diagnóstico e o tratamento efetivo do diabetes.

Algumas raças são mais vulneráveis: poodle, dachshund, schnauzer, beagle, golden retriever, labrador, spitz e samoieda – o que, atenção, não significa que as demais estejam a salvo. O diabetes sempre é uma ameaça aos cães mais velhos, não importa a raça, e às fêmeas com problemas hormonais.

Não existe cura, mas as complicações podem ser evitadas se o cão receber injeções diárias de insulina e exercitar-se com rotina. No caso das fêmeas, precisam ser castradas para que seus hormônios não interfiram no tratamento. Desta forma, seu cão terá qualidade de vida, bem estar e viverá mais feliz.

Motivos para adotar um pet sem raça definida

adocao-srd

Que tal oferecer uma chance de qualidade vida a um pet vira-lata?

Quando pensamos na possibilidade de adotar um cãozinho ou gato para alegrar nosso dia a dia, de imediato, lembramos de animais de raça. Entretanto, os pet’s vira-latas, conhecidos como SRD, são tão belos, divertidos e amáveis quanto os demais. Há inúmeras ong’s de proteção animal que são abrigos temporários para animais que foram resgatados de maus-tratos, desnutrição, das ruas e, estes pequenos notáveis aguardam pela chance de também receber muito amor, carinho e cuidado de seus tutores. Que tal adotar um SRD?

Nós listamos alguns poucos motivos (poderíamos escrever páginas e páginas de bons motivos <3) para você se decidir:

– São de todas as cores, tamanhos, tipos de pêlos

– Costumam ser mais resistentes a doenças do que cães de raça. Iss acontece porque eles já passaram pela seleção
natural e tem uma variação genética maior que as raças puras;

– Doam amor e carinho como ninguém. Inconscientemente praticam a gratidão por quem o adotou;

– Além de companheiros, são também muito fieis. Alguns parecem nosso cão de guarda – Não deixam ninguém estranho se aproximar;

– Adotando um pet você colabora para a diminuição na quantidade de animais abandonados. Você entra para uma estatística positiva;

– A propagação de doenças como a raiva, cinomose, leptospirose, entre outras também diminui, pois essas doenças são mais comuns em animais de rua e abandonados;

– Ajudamos a difundir que a beleza está na alma e nas diferenças. Quem sempre sonhou com um cãozinho branco e peludinho pode se realizar com um vira-lata magrelo e orelhudo;

– São mais espertos, pois aprenderam a viver perigosamente na malandragem da rua

Conseguimos te convencer a adotar um vira-lata? Se ainda não,

– Imagina que felicidade chegar em casa e ser recebido por um peludinho de quatro patas que te recebe como quem não lhe vê ha anos de tanta saudade e emoção. Impossível resistir a tanta alegria.

Os SRD’s são os pets mais felizes!

Problemas de tireoide em pet’s. O que fazer?

Sintomas, diagnóstico, raças propensas a desenvolver o problema e qual o tratamento correto? Nós respondemos.

tireoide-em-pets-como-tratar

Hipotireoidismo é uma das doenças endócrinas mais comuns em cães. Ocorre quando há insuficiência na atividade fisiológica da glândula tireoide e é caracterizada pela baixa taxa metabólica e perda de vitalidade.

Assim como para nós humanos, os hormônios são essenciais para a perfeita harmonia e funcionamento do organismo dos animais. Dentre todos os desequilíbrios hormonais, os localizados na glândula tireóide são os mais comuns para os cães Os hormônios tiroxina (T4) e triiodotironina(T3), são produzidos pela glândula tireóide, localizada no pescoço em ambos os lados da traquéia. Os hormônios tiroidianos influenciam o metabolismo de importantes funções do corpo como a frequência cardíaca, o controle da temperatura corporal e funções mentais. A deficiência desses hormônios leva a uma diminuição da taxa metabólica, o que significa uma redução na velocidade que a células trabalham.

Os principais sintomas de de hipotireoidismo são: ganho de peso, intolerância ao frio, sonolência, apatia e alterações na pele ou pêlos. Os sinais menos comuns incluem: alterações reprodutivas e neurológicas. O diagnóstico de hipotireoidismo é feito dosando a concentração dos hormônios tiroidianos (T3, T4 e T4 livre) no sangue. Outros testes podem ser solicitados caso a concentração desses hormônios estejam baixas para determinar se a causa é por problema na tireóide ou por outras doenças.

Cães de médio e grande porte são mais propensos a desenvolver o problema do que os demais cães. Raramente gatos são acometidos. As raças predispostas a apresentar o problema são: labrador, golden retriever, dobermann, boxer, cocker e sheepdog. Todas as patologias apresentam raças mais ou menos propensas e não há uma explicação genética para esse fator. Os estudiosos acreditam que é uma característica dos cruzamentos e da seleção natural que aconteceu ao longo dos anos. Felizmente a doença pode e deve ser tratada com medicação e geralmente, as alterações provocadas pela doença começam a melhorar após duas semanas de cuidados.

Em alguns casos é necessário acompanhamento veterinário e tratamento por toda vida do animal. É importante sempre buscar atendimento veterinário em locais que possuam estrutura adequada para solicitar ou oferecer os exames laboratoriais necessários para diagnosticar quadros como o de hipotiroidismo.

Câncer de prostata em pet’s. Saiba como prevenir.

novembro-azul-prevencao-e-diagnostico-cancer-de-prostata-animal
Hiperplasia Prostática Benigna (HPB), também conhecida como tumor de próstata, não acomete somente os homens, mas também os animais machos adultos. A HPB está relacionada ao aumento da próstata (glândula que produz hormônios sexuais e secreções). Neste artigo você vai conhecer um pouco mais sobre a doença, forma de prevenção e o que deve ser feito caso seu pet a tenha.

Cães adultos, não castrados, são 80% mais propensos ao desenvolvimento da doença, entretanto, lhe informamos que, normalmente, o tumor é benigno e a castração é o método de escolha para eliminar os problemas causados e evitar que se torne fatal. O diagnóstico preciso depende do histórico do animal não castrado, palpação de próstata e deve ser confirmada com ultrassonografia ou RX abdominal, bem como exames de sangue.

Devido ao aumento da glândula (com secreção) e pelo fato dela “interagir” com o sistema urinários, pode ocorrer contaminação do conteúdo desses cistos por via ascendente, a partir da urina. Fique atento (a), pois seu pet pode apresentar sinais clínicos que indicam a necessidade de exames, tais como:

– Dificuldade para urinar ou defecar
– Dificuldade em ficar ereto sobre os membros posteriores
– Sinais de infecção urinária
– Até mesmo infecções em múltiplos orgãos (sepse)

Os animais machos, a partir dos 6 anos de idade, principalmente os não castrados, devem ser periódicamente avaliados por veterinários. Neste período, há maior incidência de infecção urinária e, se não realizados exames, pode ser que o animal tenha a doença de próstata e não seja corretamente diagnosticado levando a complicações clínicas.

Mais de 90% das doenças prostáticas poderiam ser impedidas se seu cachorro fosse castrado antes do primeiro ano de vida. Na fase adulta, em que a próstata tem tamanho normal ou aumentada, a redução da próstata já se inicia em algumas semanas (após a castração). A castração é a forma mais eficaz de prevenir a doença de próstata em cães.

No Vet24H, temos veterinários especialistas em castração e oncologia. Agende uma consulta para seu pet.

Cuidando e protegendo melhor seu peludo. Banho, vermífugos, quais as melhores opções?

Se você quer saber como cuidar melhor de seu bichinho, respeitando sua natureza e equilíbrio, esse post é para você.

As pessoas, em sua maioria, tem o costume de banhar os cachorros 1 vez por semana, especialmente os pequenos, que costumam ficar mais tempo dentro de casa e dormem com humanos. Geralmente fazem isso porque não querem que fiquem fedidinhos ou para não sujar a roupa de cama. Você sabia que, diferentemente de nós, os cachorros possuem apenas de 3 a 5 camadas de células? Nós temos de 10 a 15. Por isso, se eles tomarem banho toda semana, além de perderem a proteção natural da pele, o processo de renovação celular se torna longo. O ideal é um banho a cada três semanas ou o menos possível!

Os shampoos e sabonetes utilizados precisam ser os menos agressivos a pele, preferencialmente livre de químicos, como corantes, aromatizantes artificiais e parabenos (comprovadamente cancerígeno), pois podem causar alergia. As vezes seu cachorro tem coceira constante, mesmo sem ter carrapatos ou pulgas e a causa pode ser o produto usado no banho.

Cãozinho no banho

Para proteger seu peludo dos parasitas e vermes, fique sempre atento as fezes e leve-o ao veterinário ao menos duas vezes ao ano para realização de exames e controle de saúde. Alguns alimentos, como alho, sementes de abóbora e menta, são vermífugos naturais. Você pode amassar dois dentes de alho crus e colocar de molho em 200ml de azeite de oliva extra virgem (em uma garrafa de vidro escuro) e regar as refeições com um pouquinho dessa mistura diariamente. Colocar umas folhinhas de hortelã na água filtrada e gelada, além de refrescar, também inibe a proliferação dos parasitas.

Para cuidados com a pelagem e equilíbrio da pele o que prevalece é uma alimentação rica em nutrientes e o bem estar do animal, com atividades físicas que estimulem-o. Mas, se você gosta de usar produtos condicionantes, experimente usar óleo de coco, amêndoas e extrato de erva de babosa (aloe vera). Sim, são produtos utilizados por nós, mas que também podemos passar nos peludos. Sempre em quantidade menor. Você pode misturar estes produtos ao shampoo de banho, por exemplo.

Ah, gatos não precisam tomar banho. Lambendo-se eles ficam limpinhos e dispensam a necessidade.

Você sabia que na VET Especialidades, nós temos banho e tosa? Usamos produtos selecionados e que preservam o equilíbrio natural da pele e pêlos de seu cãozinho.